Papa agradece às monjas de Cássia pelas rosas de Santa Rita

Devido à pandemia, festa de Santa Rita foi organizada no respeito das normas de saúde, e Cássia não pôde acolher os milhares de fiéis que, todo dia 22 de maio, celebram a memória litúrgica da religiosa agostiniana
Vatican News

O Papa Francisco agradeceu às monjas agostinianas do Mosteiro Santa Rita de Cássia pelas cinco rosas abençoadas e recebidas em 22 de maio. As rosas foram enviadas ao Pontífice como guardião do povo cristão de todos os continentes. A carta chegou à comunidade monástica quarta-feira passada, na qual Francisco revela que depositou as rosas aos pés de Maria, confiando à intercessão da Virgem e da Santa das causas impossíveis para que se cumpra a vontade de Deus.

Neste tempo de pandemia, escreve o Papa, “Jesus é a nossa única esperança” e que “no Senhor ressuscitado o Pai realiza todas as promessas e nos oferece a maior prova da sua fidelidade”. “Portanto, não nos resignemos ao sofrimento nem à morte, mas nos coloquemos em caminho para construir o futuro que Deus quer realizar para todos os seus filhos.”

As monjas acolheram com grande alegria a carta do Pontífice. “O seu gesto nos alegrou e as suas palavras manifestam a sua atenção e proximidade para conosco”, afirmou Ir. Natalina Todeschini, vigária do Mosteiro. “Não imaginávamos que a iniciativa das rosas abençoadas em Cássia no dia de Santa Rita pudesse agradar ao Papa”.

Este ano, devido à pandemia, a festa de Santa Rita foi organizada no respeito das normas de saúde, e Cássia não pôde acolher os milhares de fiéis que, todo dia 22 de maio, celebram a memória litúrgica da religiosa agostiniana. Eis então como nasceu a iniciativa de abençoar rosas – as flores símbolo de Santa Rita – e enviá-las a expoentes políticos e religiosos. O Papa respondeu e fez votos de que os peregrinos possam, em breve, voltar a Cássia, definindo o lugar como um oásis de paz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *